Katharine Berry fala sobre o ‘AjaxLife’

Programadora adolescente sacudiu o metaverso, nesta semana, com o anúncio em seu blog de um novo cliente para acesso ao Second Life, rodando através de um browser web. E avisa: vai abrir o código fonte do serviço.

Na última segunda-feira, um anúncio sacudiu os meios de comunicação especializados em assuntos do metaverso: a existência do primeiro cliente para acesso ao Second Life, utilizando o ‘engine’ de browsers web, agregado à tecnologia Ajax. O AjaxLife, ainda em estágio ‘beta’, é relativamente simples, porém uma mão na roda para quem precisa se comunicar com outros residentes e não dispõe de seu próprio equipamento ou se encontra em locais com acesso restrito a internet.

A criadora deste prodígio é uma adolescente inglesa de 15 anos, Katharine Berry, viciada em códigos, programação e Second Life. Sua invenção permite que qualquer residente se comunique com outros residentes online e se teleporte para qualquer região com acesso aberto, através de um mapa localizador. Pouquíssimos recursos, mas que não ofuscam a beleza desta iniciativa, ainda mais porque foi feita por uma adolescente.

A Reuters entrou em contato com Katharine, que concedeu uma pequena entrevista onde fala sobre o AjaxLife e planos para o futuro. Modesta, ela não consegue entender porque praticamente ninguém além dela ainda teve interesse de produzir algo parecido ou mesmo melhor. E confessa que não esperava tal repercussão. Acompanhe:

Reuters – Poderia nos falar um pouquinho sobre você?
Katharine Berry – Ok. Tenho pouco mais de 15 anos. Moro em uma pequena vila a uma hora de distância de Londres. Sou estudante e atualmente aprendo várias coisas, como Inglês, Francês, Alemão, Física, Química, Biologia, Informática, Programação, etc. Terminei Geografia há cerca de uma semana. No Second Life usei o ‘Teen Grid’ por dois anos, desde Julho de 2005. Mas já me mudei recentemente para o grid principal.

Reuters – Como você desenvolveu o AjaxLife?
KB – Programei o AjaxLife em um final de semana. Não é grande coisa. Fiz por hobby, publiquei no meu blog e agora tudo isso está acontecendo. Trabalho nele uma hora por dia, após voltar do colégio e nos finais de semana. Possui aproximadamente 2.200 linhas de código em diversas linguagens, que fui agregando. Não houve um fluxo de trabalho específico. Apenas fui produzindo passo a passo e via como estava ficando. Algo bem amador. Sou programadora mas nunca havia feito nenhuma aplicação web antes, mesmo já possuindo dois websites: www.tslemporiun.com e www.tslprofiles.com.


Reuters – O que você pretende desenvolver em breve?
KB – Pretendo implementar ‘escalabilidade’ ao AjaxLife, agregando novos recursos prioritários ao sistema, como busca, iniciar conversações pelo IM, visualização de perfis (coisas que certamente implementarei nas próximas semanas) e corrigir alguns bugs (atualmente em relação à caixa de diálogo do teleporte). Quando estas coisas básicas estiverem prontas, vou liberar o código fonte do sistema, através de licenças GNU, para que outros programadores possam me ajudar a aperfeiçoá-lo e publicá-lo em outros servidores. Assim o sistema logo logo ficará mais robusto e meu servidor não ficará mais fora do ar pela alta carga de demanda. Não tenho interesse em ganhar dinheiro com o AjaxLife se é o que desejam saber.

O AjaxLife pode ser acessado através deste link. Para acessar página oficial do serviço, clique aqui. A autora recomenda utilizar o sistema através dos browsers Firefox 2 ou Safari 3. No IE6-7 alguns bugs de incompatibilidade tem se manifestado, porém Katharine já está trabalhando nisso.

Fonte: Reuters.

Anúncios